90 anos de Mauro Duarte, um compositor fundamental

Conhecido carinhosamente como Mauro Bolacha, compositor foi um dos principais nomes da “Turma de Botafogo” e viu sua obra ser gravada por nomes como Clara Nunes e Paulinho da Viola.

“Maravilhoso, calmo, discreto, inspirado e amigo pra caramba”. É dessa maneira que o violonista e produtor Paulão 7 Cordas se recorda de Mauro Duarte, compositor que celebraria 90 anos em 2020. “Morávamos no mesmo prédio em Botafogo. Meu filho Ramon mora lá até hoje e a Dona Neia, viúva do Mauro, também”, conta Paulão.

Paulão 7 Cordas, Ignez Perdigão, Cristina Buarque e Mauro Duarte em show no Arco da Velha. (Acervo pessoal de Paulão 7 Cordas).

Mauro Duarte de Oliveira nasceu no dia 2 de junho de 1930 no município mineiro de Matias Barbosa, mas logo cedo, com seus 3 anos de idade, foi com a família viver na cidade do Rio de Janeiro.

Iniciou a trajetória artística de maneira natural pelas andanças por Botafogo, entre bares, blocos de carnaval e encontros no importante Teatro Opinião, na década de 1960. Em seguida, veio o ingresso no grupo “A Voz do Morro”, conjunto que participou ao lado de nomes como Nelson Sargento, Jair do Cavaquinho e Elton Medeiros.

Elton, aliás, chegou a afirmar que Bolacha era imbatível na arte de compor canções em tons menores, o que a dupla fez com exímia perfeição, por exemplo, em sambas como “Maioria sem Nenhum” e “Coração em Chamas”. No vídeo abaixo, Mauro canta seu primeiro sucesso, gravado por Miltinho, para os amigos Elton e Paulinho da Viola.

Ao lado de bambas como Paulinho, Walter Alfaiate, Mical e Zorba Devagar, Mauro foi um dos líderes da turma de sambistas do bairro de Botafogo e viu sua obra ganhar projeção principalmente na voz da cantora Clara Nunes, que consagrou músicas como “Lama”, “Canto das Três Raças” e “Portela na Avenida”.

Essa trajetória e relação com o samba e com os amigos foi lembrada pela filha de Mauro, Márcia Duarte, nos áudios a seguir:

Andanças e composições

Companheiro e carinhoso, Mauro despertava cedo para dar conta do batente e das demandas familiares. E, claro, tudo isso para a noite dar aquela escapulida aos sambas. Bom mesmo era aos domingos, quando gostava de sair por ai caminhando, com o plano de sempre: de bar em bar, alegre.

Num domingo destes da década de 1980, Bolacha acionou o amigo baiano Edil Pacheco, sambista que na época vivia no Rio. Da caminhada e do porre, nasceu a parceria “Sonho e Realidade”, samba gravado pelo Samba de Fato em disco lançado em 2008: “Ele veio com a primeira e fiz a segunda no mesmo dia, era um domingo de tarde. Saudades pra caramba do Mauro”, conta Edil recordando das noites juntos no Clube do Samba, movimento fundado por João Nogueira.

Em matéria de Mauro Duarte, o trabalho do conjunto Samba de Fato merece uma nota de excelência e é necessária para quem quer visitar a obra de Bolacha. O disco ainda traz participações de nomes como Paulo César Pinheiro e Cristina Buarque.

E falando em um dos maiores letristas do país, vale dizer que Paulo César Pinheiro foi o parceiro mais frequente de Mauro. A amizade rendeu até um show em homenagem ao sambista de Botafogo na celebração de 70 anos de Paulo César, celebrado no ano de 2019 na Casa do Choro, no Rio. Vale assistir:

Bolacha faleceu em 1989, aos 69 anos, sem o devido reconhecimento da grande mídia. Se isso fosse um país sério, Mauro Duarte era tema obrigatório de escola, um compositor fundamental.

Muito admirado e querido no mundo do samba, sua obra permanece, pois é uma chama que não se apaga nunca, ainda mais porque é permanente o trabalho de memória que os quatro filhos e Dona Neia desempenham, visitando pessoalmente vários movimentos culturais da cidade do Rio e de todo país, semeando e difundindo as músicas de Mauro.

Se as obras de Bolacha já estão eternizadas, o pai Mauro também continua vivo nos encontros da família, como pai querido e amigo inesquecível, tal qual podemos nos deliciar nesse áudio de Márcia Duarte:

 

Paulão 7 Cordas reúne momentos da carreira em novo canal no Youtube

O violonista e produtor Paulão 7 Cordas, um dos mestres do Coletivo, lançou seu canal no Youtube reunindo registros de shows, entrevistas e encontros marcantes dos quase 50 anos de carreira.

O bamba Paulão 7 Cordas é uma enciclopédia da música popular brasileira, mas, antes de tudo, um amante da nossa cultura. O violonista já produziu nomes como Dona Ivone Lara, Zé Keti e Nelson Cavaquinho e acompanha Zeca Pagodinho há mais de 30 anos. Além disso, é figura respeitada e frequente em vários projetos e rodas de samba em todo Brasil.

E é justamente um pouco de toda essa memória que Paulão apresenta em seu novo canal no Youtube (já se inscreve aqui!). 😉

São vários vídeos como momentos de gravações e shows, como o encontro incrível com Zeca Pagodinho e Rogério Caetano, além do show no Instrumental Sesc Brasil, ao lado de seu filho Ramon Araújo, com o projeto “Conversa de Violões”:

O canal também tem uma parte dedicada às entrevistas, como a participação do produtor no programa Samba na Gamboa, ao lado das Pastoras da Portela:

Vale a pena navegar também na playlist dos encontros em projetos e redutos de todo país, como essa roda de choro no Bip-Bip, e essa trinca virtual formada por Paulão, Fabiana Cozza e Nailor Proveta:

Por fim, o canal ainda tem tempo para deixar participações de Paulão em documentários, como essa peça rara na qual Elton Medeiros e Cristina Buarque puxam a roda no filme “Samba em Copacabana”:

Inscreva-se no canal e repasse a informação para os amigos e amigas que gostam da boa música brasileira! 😉

Coletivo se une ao Dia Nacional do Samba na Glória

Primeira edição do Dia Nacional do Samba na Glória integra ações de todo Brasil e reúne movimentos do bairro carioca que lutam pela valorização do samba e da cultura popular.

No dia 2 de dezembro é celebrado o Dia Nacional do Samba e os moradores e amigos do bairro da Glória resolveram entrar na corrente.

Assim, as três maiores rodas de samba do bairro toparam se reunir para uma grande festa na famosa e tradicional Feira Popular da Glória.

Gloriosa Roda de Samba, Sambastião e Pagode do Time de Crioulo se juntaram para dar continuidade ao projeto de vitalização e ocupação do bairro, sempre com cultura, lazer, educação e muita alegria.

O Coletivo Sindicato do Samba, que teve sua primeira sede no bairro da Glória, também participa do movimento.

A Glória e o Samba

Importante reduto cultural da cidade do Rio de Janeiro, o bairro da Glória tem em sua história muito personagem bamba e movimentos de samba. Nomes como Jackson do Pandeiro, Wilson das Neves, Ataulfo Alves e Mario Lago foram algumas das figuras que marcaram a região.

E tem mais! Paulão 7 Cordas, Moacir Luz, Toninho Gerais estão até hoje presentes nos encontros e, ainda, não podemos esquecer de Edson Cortes, Lula Matos e Anderson Baiaco, precursores da ideia da primeira roda de samba no bairro, em 2003 junto a Associação de Moradores e Amigos da Glória.

Com objetivo de valorizar esse patrimônio cultural e dar continuidade a essa historia, vamos celebrar o Dia Nacional do Samba com as principais rodas da Glória.

O evento conta com o apoio da Associação de Moradores e Amigos da Glória, do Coletivo Sindicato do Samba e da Rede Carioca de Rodas de Samba.


Dia Nacional do Samba na Glória
Roda de samba com a Gloriosa, Sambastião e Time de Crioulo
2 de dezembro | domingo | 15 horas
Entrada Gratuita
Feira Popular da Glória (Av. Augusto Severo, s/n – Glória – RJ)

Apoio Cultural:
Associação de Moradores e Amigos da Glória
Coletivo Sindicato do Samba
Rede Carioca de Rodas de Samba

Wilson Moreira, um sonho nosso e da música brasileira

Tenho compreensão que uma das mais bonitas histórias da minha vida foi conviver com mestre Wilson Moreira. Serei eternamente grato a isso.

Além de todas os causos, risadas e ensinamentos, coleciono também algumas cenas. Uma delas é a lembrança das muitas pastas em seu quarto, cheia de canções, caprichosamente refinadas, meticulosamente trabalhadas, palavra a palavra. Certa vez, no início de 2017, descobri que uma destas pastas abrigava sambas “feitos para a criançada e para os jovens”, uma ideia de Wilson e de sua companheira valente Angela Nenzy, importante pesquisadora e produtora.

Virou prioridade absoluta: desde o início dos anos 2000, nosso querido Alicate compunha inspirado em seu tempo e recordações da infância, músicas que apresentamos neste “Tá com medo, Tabareu?”, expressão que o então menino Wilson escutou em certo final de tarde, quando empinava pipa no bairro de Realengo, no Rio de Janeiro, onde cresceu.

Assim, através de um financiamento coletivo e apoio de muita gente amiga e querida (muito obrigado a todos benfeitores e benfeitoras), foi possível iniciar o projeto, em um processo longo e trabalhoso, sempre respeitando os limites dos mais de 80 anos do seu Moreira. Por sinal, nosso mestre foi impecável! Guerreiro determinado, de entrega total, um verdadeiro bamba, que estava com saudades do estúdio, já que não gravava um disco há mais de 20 anos.

Seria injusto não lembrar e destacar o carinho, talento e lealdade do maestro Paulão 7 Cordas que topou o projeto de pronto e sempre buscou confortar seu Wilson e ajudar a encontrar os seus caminhos melódicos, preservando toda a originalidade de suas composições.

Tal qual os Ibejis, Moreira sempre conservou a alma doce e pura, não por coincidência isso esteve tão forte no final da sua caminhada e culminou neste disco. De uma luminosidade infinita, Wilson nos brilhará sempre, afinal, ele foi mais que um sonho só meu, foi um sonho da música popular brasileira.

* Texto escrito por Camilo Árabe e publicado no encarte do disco “Tá com medo, Tabaréu?” do mestre Wilson Moreira. Camilo é um dos fundadores do Coletivo Sindicato do Samba e o responsável pela produção do disco de Wilson.

Paulão 7 Cordas é o novo mestre do nosso Sindicato do Samba

Notícia ótima: o violonista e arranjador musical Paulão 7 Cordas é o mais novo mestre do Coletivo Sindicato do Samba.

O currículo de Paulo Roberto Araújo, o Paulão 7 Cordas, é vasto e de tirar o chapéu: o músico assina há mais 30 anos a direção musical e integra a banda de Zeca Pagodinho. Além disso, realiza direção musical e arranjos de shows e discos de ilustres artistas como, por exemplo, Nelson Sargento, Zé Keti, Monarco, Wilson Moreira, Nei Lopes, Wilson das Neves, Tia Surica, Délcio Carvalho, entre muitos outros.

Isso sem falar que Paulão é um ser humano sensacional! Pode crer! Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho e os projetos do Paulão, basta curtir a página no Facebook ou entrar no site: www.paulao7cordas.com

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2FPaulao7Cordas%2Fvideos%2F331535847255334%2F&show_text=1&width=267